Dicas Sobre Alimentação

Emagrecer Depois Dos 40 é Mais Difícil! Será Verdade?

Emagrecer depois dos 40
Emagrecer depois dos 40

Será que é mais difícil emagrecer depois dos 40 anos? Ou será um mito? Esta é uma ideia generalizada, especialmente entre mulheres: “emagrecer após os 40 torna-se mais difícil!”, mas será verdade? Vamos investigar.

Emagrecer depois dos 40 anos é mais difícil! Mito ou verdade?

 

Podemos então concluir que a idade altera ligeiramente as necessidades calóricas diárias, contudo, a grande diferença reside no nível de atividade individual.

Ao longo do ciclo de vida as necessidades metabólicas alteram-se. Quer isto dizer que as calorias (energia) que uma criança precisa, não são iguais às de um adulto ou idoso.

 

 

Compare as seguintes tabelas:

emagrecer depois dos 40

 

emagrecer depois dos 40

 

emagrecer depois dos 40

Ao analisar a tabela 1 podemos verificar uma diferença significativa entre as necessidades energéticas de homens e mulheres.

Além disso, até aos 18 anos o aumento é gradual e significativo para os dois gêneros. Apesar de dos 19 aos 74 anos haver um decréscimo, este é muito ligeiro (200 a 300kcal/dia), o equivalente a um pão com queijo ou um sorvete.

Portanto, em termos científicos concluímos que há de fato um decréscimo das necessidades metabólicas ao longo do tempo, mas não é muito significativo.

Pelo contrário, quando comparamos pessoas mais ou menos ativas, aí sim reside a grande diferença! Veja-se que entre pessoas com a mesma altura, a variação calórica pode ser de 1000 kcal ou mais por dia, quando comparamos “pouco ativos” com “muitos ativos”.

Podemos então concluir que a idade altera ligeiramente as necessidades calóricas diárias, contudo, a grande diferença reside no nível de atividade individual.

 

Além disso, fatores que diminuem a taxa metabólica ao longo da vida são:

  • Alterações hormonais da tiroide ou outras (ex. menopausa);
  • Ingestão contínua de medicação (ex. corticoterapia);
  • Sedentarismo continuado (hipotonia muscular);
  • Restrição alimentar continuada (dietas ioiô);
  • Fraca exposição solar e a “ar livre” (disfunção vitamínica e hormonal);
  • Alterações e privação de sono, stress, ansiedade crónica, depressão.

Quando juntamos vários deste fatores, por exemplo, uma mulher, com 50 anos em menopausa, sedentária com história de dietas restritivas, é certo de que o seu metabolismo não será tão eficaz como o de uma mulher mais jovem e ativa.

Estaremos então condenados a “engordar”? É claro que não! É possível manter um metabolismo ativo e saudável, desde que pratique exercício adequado, se alimente corretamente e descanse. Afinal é tão simples, basta tratar bem de si ao longo da vida.